domingo, 16 de junho de 2019

Lava-jato "atende às garantias constitucionais" - afirma ex-ministro do STF

"A reação ao combate à corrupção não vai dar certo", entende o ex-ministro do STF, Carlos Velloso, numa entrevista ao Correio Braziliense.
Segundo acrescenta, "...o Judiciário brasileiro é muito cônscio de suas atribuições, de sua independência".
E explicou:
- Há um trabalho sincronizado de juízes, membros do Ministério Público, Polícia Federal, agentes da Receita Federal e de órgãos administrativos. A opinião pública está do lado do combate a esse mal que degrada a República, que é a corrupção.
De acordo com o ex-ministro, esse trabalho está dando certo. "E dando certo - continuou - porque ele está sendo feito vigorosamente, mas com respeito às garantias constitucionais. Os tribunais estão atentos a isso".
Para ler a reportagem completa, CLIQUE AQUI.

sábado, 15 de junho de 2019

Exigir nota fiscal no RN volta a premiar contribuintes

“Esperamos mobilizar corações e mentes do povo potiguar para que a campanha seja um sucesso”, declarou a governadora Fátima Bezerra no lançamento do programa Nota Potiguar, que concederá prêmios para os contribuintes e beneficiará 24 instituições filantrópicas e quatro times de futebol do Rio Grande do Norte. O lançamento da campanha de educação fiscal, realizado pela Secretaria de Estado da Tributação (SET), reuniu representantes de entidades empresariais e beneficentes na tarde desta sexta-feira (07), no auditório da Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL).
Através do aplicativo Nota Potiguar, compatível com sistemas Android e IOS, que pode ser baixado gratuitamente, a população exercerá um papel fiscalizador ao informar o CPF e exigir a nota fiscal, além de ajudar uma instituição filantrópica de sua escolha. Dessa forma, contribuirá para evitar a evasão de divisas e ajudará a coibir a sonegação fiscal. “O que estamos propondo é um exercício de cidadania. Ao garantirmos o aumento da receita, estaremos garantindo a prestação de serviços públicos de qualidade, principalmente na Saúde e na Educação”, enfatizou a governadora.   
O secretário de estado da Tributação, Carlos Eduardo Xavier, destacou a importância de o lançamento da campanha ocorrer em ambiente empresarial, evidenciando a parceria com esses segmentos – comércio, indústria e prestação de serviços – proporcionando uma concorrência leal entre as empresas. “Hoje estou muito feliz por estar entregando à sociedade um programa que visa aumentar a arrecadação do Estado ao mesmo tempo em que beneficia a população, as entidades beneficentes e o empresariado. Todos sairão ganhando com o Nota Potiguar”, disse.
Otimista quanto à abrangência do aplicativo, que já alcança o patamar de 27 mil usuários, o presidente da CDL, Augusto Vaz, enfatizou a importância do programa principalmente no que se refere ao combate da evasão de tributos. “Nós que fazemos o trabalho direito só temos a agradecer, porque a população nos ajuda a combater os sonegadores. Estes não encontrarão mais tão facilmente um ambiente propício para sonegar impostos”.
A solenidade de lançamento da campanha contou com a presença de Francisco Régis, do Hospital Infantil Varela Santiago, que compôs a mesa representando as demais instituições filantrópicas, e do presidente do Globo, Marconi Barretto; do segundo vice-presidente da Fecomércio, Luís Antônio Lacerda; do vice-governador Antenor Roberto; e do secretário de Desenvolvimento Econômico, Jaime Calado. 

PRÊMIOS E DESCONTOS

Em vigor desde sábado (01), a expectativa é de que o programa Nota Potiguar gere uma arrecadação extra de R$ 84 milhões por ano, através da conscientização do cidadão em pedir a nota fiscal e a inserção do CPF. O Governo vem trabalhando no desenvolvimento e apresentação da Nota Potiguar desde o início do ano, primeiro com o lançamento do aplicativo e depois a parceria com os clubes de futebol do estado no início de maio.
A ação já distribuiu ingressos para jogos do ABC, América, Santa Cruz e Globo, que são os times potiguares participantes das Séries C e D do Campeonato Brasileiro. Cada R$ 50 acumulados valem um ponto. Mas, uma nota fiscal dá direito a, no máximo, cinco pontos. E durante todo o mês, o acúmulo máximo é de 50 pontos. Com a pontuação, é possível fazer reserva para os jogos de futebol no mês seguinte.
Para cada ingresso, será necessário acumular R$ 150 em compras feitas a partir de 1º de junho. A reserva do ingresso será feita pelo próprio aplicativo. A contrapartida da parceria é a divulgação da marca da Nota Potiguar nas camisas dos clubes. Outra boa notícia é que o consumidor também poderá reverter os valores das notas cadastradas em descontos no IPVA. A próxima fase do programa prevê ainda sorteios de prêmios entre R$ 4 mil e R$ 50 mil.
Fátima em dia de entrega de ambulância ao SAMU
(Foto: Assecom-RN/Divulgação)


sexta-feira, 14 de junho de 2019

Presidente desonesto devia pegar prisão perpétua, diz o general Heleno

"Presidente da República desonesto destrói o conceito de nosso país" - disse o general Heleno Nunes, durante café da manhã do presidente Jarir Bolsonaro com jornalistas e alguns ministros.
Nunes, que é ministro do Gabinete de Segurança Institucional da presidência da República, pediu a palavra após Bolsonaro ser questionado sobre afirmação do ex-presidente Lula que expressou dúvida quanto à facada levada na campanha eleitoral, durante visita a Juiz de Fora-MG.
Segundo relato no portal da Jovem Pan, o ministro afirmou: "Isso é uma canalhice típica desse sujeito. Não mereceu jamais o cargo. Presidência da República é uma instituição quase sagrada. Eu tenho vergonha de um sujeito desse ter sido presidente da República".
E ainda disse o general:
- Presidente da República desonesto tinha que tomar uma prisão perpétua. Isso é um deboche com a sociedade. Presidente da República desonesto destrói o conceito do país.
Para ler a matéria no portal da Jovem Pan, CLIQUE AQUI.

CLIQUE AQUI e veja o ex-presidente Lula estranhando a facada dada em Bolsonaro durante a campanha: "Aquela facada é uma coisa muito estranha. "Uma facada em que não aparece sangue nenhum em nenhum momento"
Do café do presidente com jornalistas também participaram
integrantes do gabinete (Foto: Marcos Corrêa/PR)



Defenda o seu direito sem desrespeitar o direito do outro

Essa é a posição ideal para quem afirma defender a liberdade.
No tocante, à reforma da Previdência, tem muito espertalhão defendendo o seu privilégio, procurando se apresentar como se estivesse defendendo o pequeno.
Ou seja: Usam - e só usam - o pequeno como bucha de canhão.
Não conheço em detalhes a proposta da Nova Previdência.
Mas, para mim, tem dois pontos fundamentais:
Primeiro - Acabam as aposentadorias especiais, inclusive dos deputados e senadores. O teto vai ser igual para todos.
Segundo - Quem tem aposentadoria de até 2 salários mínimos não tem o que temer. Não perde nada. E tem um pequeno ganho. Sua contribuição para previdência cai de 8 para 7,5%.
Está circulando um vídeo na Internet com o deputado do PSOL, Ivan Valente, criticando a reforma e dizendo defender o pequeno. 
Quando outro deputado - Marcel Van Hattem - afirma que ele devia abrir mão de sua aposentadoria especial, primeiro, ele nega. Diz que não tem aposentadoria especial. Mas, quando o outro parlamentar apresenta documento comprovando o que disse, Valente se levanta, chama-o de moleque e vai pra cima de Van Hattem tentando agredí-lo.
Para acessar o vídeo, CLIQUE AQUI.

quinta-feira, 13 de junho de 2019

Conheça detalhes do projeto da reforma da Previdência

Por Welton Máximo
AGÊNCIA BRASIL

Com economia prevista de R$ 1,13 trilhão em 10 anos, o relatório da reforma da Previdência, apresentado hoje (13) na comissão especial da Câmara dos Deputados, começará a ser debatido na próxima terça-feira (18). A data de votação na comissão ainda não está definida.
O relator da proposta de emenda à Constituição (PEC), deputado Samuel Moreira (PSDB-SP) fez diversas mudanças em relação à proposta original enviada pela equipe econômica no fim de fevereiro. As alterações reduziriam a economia para R$ 913,4 bilhões até 2029. 
No entanto, o deputado decidiu propor a transferência de 40% de recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) para a Previdência Social, o que reforçaria as receitas em R$ 217 bilhões, resultando na economia final de R$ 1,13 trilhão, próximo da economia inicial de R$ 1,23 trilhão estipulada pela área econômica.
A retirada de diversos pontos na comissão especial havia sido acertada quando o texto foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, como a antecipação do Benefício de Prestação Continuada (BPC) ou o aumento da idade mínima para trabalhadoras rurais.
Outros itens foram alterados após negociações com parlamentares, como a redução do tempo mínimo de contribuição para as mulheres, a retirada da capitalização (poupança individual de cada trabalhador) e a exclusão dos estados e dos municípios da reforma, com a possibilidade de reincluir os governos locais por meio de destaques.

Confira principais mudanças no relatório

Idade mínima para trabalhador urbano
Proposta do governo: a idade mínima de 62 anos para mulheres e de 65 anos para homens após o período de transição, com tempo mínimo de contribuição de 20 anos para ambos os sexos.
Relatório: idades mínimas mantidas, com tempo de contribuição de 20 anos para homens e 15 anos para as mulheres.

Regra de transição
Proposta do governo: no Regime Geral de Previdência Social (RGPS), que abrange os trabalhadores do setor privado, a PEC prevê três regras de transição para o setor privado: sistema de pontos por tempo de contribuição e por idade, aposentadoria por tempo de contribuição para quem tem pelo menos 35 anos de contribuição (homens) e 30 anos (mulheres) e pedágio de 50% sobre o tempo faltante pelas regras atuais, desde que restem menos de dois anos para a aposentadoria.
Para o Regime Próprio de Previdência Social (RPPS), dos servidores públicos, o texto estipula um sistema de pontuação que permitiria a aposentadoria a partir dos 61 anos para homens e 56 anos para mulheres. A partir de 2022, as idades mínimas subiriam para 62 anos (homens) e 57 anos (mulheres). Nesse caso, no entanto, os servidores receberiam um valor mais baixo. Os trabalhadores públicos que entraram até 2003 precisariam trabalhar até 65 anos (homens) e 62 anos (mulheres) para terem direito à integralidade (último salário da ativa) e paridade (mesmos reajustes salariais dos ativos). 
Relatório: o texto acrescentou uma regra de transição que valerá tanto para o serviço público como para a iniciativa privada. Os trabalhadores a mais de dois anos da aposentadoria terão um pedágio de 100% sobre o tempo faltante para terem direito ao benefício. No caso dos servidores públicos que entraram antes de 2003, o pedágio dará direito à integralidade e à paridade.

Aposentadoria rural
Proposta do governo: idade mínima de 60 anos para a aposentadoria de homens e mulheres, com 20 anos de tempo de contribuição para ambos os sexos.
Relatório: mantidas as regras atuais, com 55 anos para mulheres e 60 anos para homens, incluindo garimpeiros e pescadores artesanais. Apenas o tempo mínimo de contribuição para homens sobe para 20 anos, com a manutenção de 15 anos para mulheres.

Professores
Proposta do governo: idade mínima de 60 anos de idade para a aposentadoria de homens e mulheres, com 30 anos de tempo de contribuição.
Relatório: idade mínima de 57 anos para mulheres e 60 anos para homens, com definição de novos critérios por lei complementar. Regra vale para professores do ensino infantil, fundamental e médio.

Capitalização
Proposta do governo: Constituição viria com autorização para lei complementar que instituirá o regime de capitalização.
Relatório: proposta retirada.

Benefício de Prestação Continuada (BPC)
Proposta do governo: idosos de baixa renda receberiam R$ 400 a partir dos 60 anos, alcançando um salário mínimo somente a partir dos 70.
Relatório: proposta retirada, com manutenção de um salário mínimo para idosos pobres a partir dos 65 anos.

Abono salarial
Proposta do governo: pagamento restrito aos trabalhadores formais que ganham um salário mínimo, contra dois salários mínimos pagos atualmente.
Relatório: pagamento aos trabalhadores de baixa renda (até R$ 1.364,43 em valores atuais).

Pensão por morte
Proposta do governo: pensão por morte começaria em 60% do salário de contribuição, aumentando 10 pontos percentuais por dependente até chegar a 100% para cinco ou mais dependentes. Retirada da pensão de 100% para dependentes com deficiências intelectuais ou mentais. Apenas dependentes com deficiências físicas receberiam o valor máximo.
Relatório: mantém nova fórmula de cálculo, mas garante pensão de pelo menos um salário mínimo para beneficiários sem outra fonte de renda. Pagamento de 100% para beneficiários com dependentes inválidos (deficiência física, intelectual ou mental) e para dependentes de policiais e agentes penitenciários da União mortos em serviço.

Salário-família e auxílio-reclusão
Proposta do governo: pagamento restrito a beneficiários com renda de um salário mínimo.
Relatório: pagamento a pessoas de baixa renda (até R$ 1.364,43 em valores atuais).

Reajuste de benefícios
Proposta do governo: eliminava trecho da Constituição que preservava a reposição das perdas da inflação.
Relatório: manutenção do reajuste dos benefícios pela inflação.

Estados e municípios
Proposta do governo: PEC valeria automaticamente para servidores dos estados e dos municípios, sem necessidade de aprovação pelos Legislativos locais.
Relatório: retirada de estados e municípios da PEC, com a possibilidade de reinclusão dos governos locais por meio de emenda na comissão especial ou no Plenário da Câmara.

Incorporação de adicionais
Proposta do governo: PEC não aborda assunto.
Relatório: extensão aos estados e municípios da proibição de incorporar adicionais por cargo de confiança ou em comissão ao salário dos servidores, vedação que existe em nível federal.

Acúmulo de benefícios
Proposta do governo: limite para acúmulo de benefícios a 100% do benefício de maior valor, somado a um percentual da soma dos demais, começando em adicional de 80% para um salário mínimo e caindo para 0% acima de benefícios de mais de quatro salários mínimos. Médicos, professores, aposentadorias do RPPS ou das Forças Armadas ficam fora do limite por terem exceções estabelecidas em lei.
Relatório: altera para 10% adicional para benefícios acima de quatro salários mínimos, mantendo os demais pontos.

Encargos trabalhistas
Proposta do governo: possibilidade de incidir desconto para a Previdência sobre vale alimentação, vale transporte e outros benefícios trabalhistas.
Relatório: proposta retirada.

Aposentadoria de juízes
Proposta do governo: PEC não abordava assunto.
Relatório: retirada da Constituição da possibilidade de pena disciplinar de aposentadoria compulsória para juízes.

Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT)
Proposta do governo: PEC não abordava assunto.
Relatório: repasse de 40% das receitas do FAT para a Previdência Social, atualmente esses recursos vão para o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Governo Fátima dá nova satisfação sobre contas atrasadas

O governo do RN reafirmou, hoje, em nota encaminhada aos meios de comunicação, que ainda não sabe quando começa a pagar contas atrasadas a fornecedores e prestadores de serviços deixadas por gestões anteriores.
- A medida segue a mesma lógica adotada com os servidores públicos  - enfatiza a nota.
Ou seja: O Governo Fátima está procurando pagar em dias os seus compromissos com servidores, com fornecedores e prestadores de serviços. O atrasado só quando entrar dinheiro novo.
Ou seja: O governo plagia o devedor malandro: "Devo não nego; pago quando puder"
A nota encaminhada pela Assessoria de Comunicação do Governo do Estado tem o seguinte teor:

Governo reordena pagamento 
de fornecedores e serviços

"O Governo do Estado confirmou o objetivo de honrar o pagamento dos serviços públicos prestados no ano de 2019 com a publicação da resolução de nº 02/2019, do Comitê de Gestão e Eficiência, no Diário Oficial desta quarta-feira (12). O dispositivo reafirma a política adotada para pagamento das dívidas de gestões anteriores com os fornecedores e prestadores de serviços, anunciada no início do Governo Fátima Bezerra, em janeiro.
"A medida segue a mesma lógica adotada com os servidores públicos do Estado, cujos salários em atraso serão quitados com recursos extraordinários", destacou o secretário-chefe do Gabinete Civil, Raimundo Alves.  Ele disse ainda que a providência não representa um calote no pagamento dos fornecedores e prestadores de serviços que estão inscritos nos restos a pagar, desde 31 de dezembro, sem lastro financeiro. "O planejamento do Governo do Estado é quitar as dívidas com recursos extras, em especial os que serão disponibilizados pelo Plano de Promoção do Equilíbrio Fiscal (PEF)".

SEGUE RESOLUÇÃO DO TCE
"A resolução do Comitê de Gestão e Eficiência do Governo é baseada na resolução nº 032/2016 do TCE-RN, que no inciso III do artigo 15 admite a quebra de ordem cronológica de pagamentos no caso de calamidade pública. Este trecho da resolução do Tribunal de Contas atende justamente a situação do Governo, que decretou calamidade financeira desde 2 de janeiro, quando publicou o Decreto nº 28.689. O decreto já foi aprovado pela Assembleia Legislativa.
Em atenção à resolução do TCE, a Controladoria Geral do Estado (Control) editou a orientação circular nº 4/2019, destinada a todas as unidades gestoras do Governo. O documento dá as diretrizes para a manutenção dos serviços públicos com o pagamento das despesas do ano corrente.
A quitação das dívidas relativas aos anos anteriores será feita mediante a obtenção de recursos extras, como no caso do Plano de Promoção do Equilíbrio Fiscal que foi encaminhado recentemente pelo Governo Federal ao Congresso Nacional.

Em noite de chuva, Natal abre o São João numa festa apoteótica

SECOM/NATAL
Divulgação
Riso de orelha a orelha, é isso?

Nem a chuva conseguiu apagar o brilho da primeira noite dos grandes shows do São João de Natal. A área externa da Arena das Dunas ficou pequena nesta quarta-feira (12) para a multidão que acompanhou as apresentações da noite. 

Zé Hilton do Acordeon fez o primeiro show da noite. O irreverente e veterano Genival Lacerda veio na sequência. Depois foi a vez da dupla Hugo e Heitor animar a galera. 
O final apoteótico coube a Xandy Avião que levantou a plateia com os principais sucessos da banda. O prefeito Álvaro Dias acompanhou tudo ao lado do secretário municipal de Cultura, Dácio Galvão.

O prefeito Álvaro Dias foi até o camarim de Xandy para dar boas-vindas e desejar sucesso no show. O artista agradeceu a confiança e disse que estava muito feliz em ver que a capital potiguar estava realizando um São João de grandes proporções e digno das tradições nordestinas: "Estou muito feliz que Natal, a capital do meu estado, agora tem um São João de respeito. Parabéns ao prefeito Álvaro Dias pelo arrojo e empenho em realizar essa festa linda", disse ao apodiense Xandy.

Álvaro Dias falou sobre a valorização que a gestão municipal tem dado a cultura, promovendo grandes eventos como o carnaval e agora o São João: "A cidade tem respondendo bem a esses eventos que estamos promovendo. Ficamos felizes com isso, pois sabemos da importância no aspecto cultural com o fortalecimento dos nossos artistas e da nossa identidade nordestina, já que essa é a festa mais popular da região. Tivemos a preocupação de democratizar o evento, movimentando todas as regiões da cidade. O São João de Natal veio pra ficar", disse.

Ele ainda falou sobre o ganho econômico que o evento vai gerar para a cidade: "A economia criativa é uma vertente que tem crescido muito. Toda a cadeia produtiva ganha com uma iniciativa dessa. Está comprovado que a cada um real investido outros treze retornam aos cofres públicos. É geração de empregos diretos e indiretos renda, economia informal movimentada, o turismo também é impactado positivamente, enfim. Temos ganhos imensuráveis", detalhou.

Esse foi só o começo. A programação segue até domingo. No dia 13 (quinta), as atrações são Rodolfo Lopes, Pedro e Erick e Zezé de Camargo e Luciano. No dia 14 (sexta), sobem ao palco do São João de Natal os veteranos César Menotti e Fabiano, Alexandre Moreira e Banda, Forró Meirão e Luizinho Calixto. No dia 15 (sábado) quem sobe ao palco é a dupla Simone e Simaria, além dos lendários Roberto do Acordeon e Joquinha Gonzaga. Já os Cavaleiros do Forró, Banda Saia Rodada e Banda Rojão embalam os forrozeiros no domingo dia 16.

FESTIVAL GASTRONÔMICO 
O São João de Natal, realizado na área externa da Arena das Dunas, vai de 12 a 24 de junho, com múltiplas ações culturais. Começa com a realização do Festival Junino de Natal (12 a 24) e Mostra Cultural de Natal (17 a 24) com o autêntico forró e comidas típicas, e o Festival de Quadrilhas Juninas no pavilhão da Arena (18 a 24/6).

A programação do Coreto do Festival Gastronômico de Natal será uma ode ao forró clássico pé de serra. Na terça-feira 17 se apresentam trios de forró. Na quarta 18/6, bandas Fuxico de Feira e o festival “Faz Mais Elino – 2º Concurso de Marchinhas Juninas”. A noite encerra com a homenagem a Elino Julião na voz de Galvão Filho e show de Carlos Zens. No dia 19/6, a atrações do coreto são Forró Na Manha, Luizinho Nobre. No dia 20/6, Messias Paraguai sobe ao palco e terá como convidado o cantor Carlos Alexandre Jr. A noite encerra com banda Cebola Ralada.

Na sexta-feira 21/6, se apresentam o Quarteto Linha no Forró e Gisele Alves. No sábado (22), tem Leão Neto e Jaina Elne. E no domingo é a vez do São João das Crianças, a partir das 17h, com shows de Nara Costa, Forró Estribado. E segunda-feira, véspera de São João, tem Trio Trancelim e cantora Mônica Jucá em forró das antigas.

FESTIVAL DE QUADRILHAS
O XXXI Festival de Quadrilhas Juninas de Natal e o festival de música Forraço, dois grandes eventos da cultura nordestina, aportam de 13 a 16 na Área externa do Ginásio Nélio Dias, zona Norte da capital. Além das apresentações das grandes quadrilhas, o espaço receberá atrações musicais que valorizam a música nordestina de raiz, como a Orquestra Sanfônica do Museu do Vaqueiro e o forrozeiro Kanelinha (14/6). Além de Banda Detroit (17) e Papel Gomes e Crys Holanda (18). A Prefeitura do Natal oferece também toda a infra-estrutura para a realização dos eventos, logística, esquema de segurança particular, trânsito, comunicação, limpeza urbana e serviços.
Estacionamento da Arena das Dunas


Hemonorte pede doação de sangue para garantir o São João

SESAP COMUNICAÇÃO

Em comemoração ao Dia Mundial do Doador, o Hemonorte lança amanhã (14), às 9 horas, a campanha de doação de sangue para o período junino. Com o tema “Neste São João venha pro arrasta-pé da doação”, a campanha visa aumentar o número de doações e garantir o atendimento às demandas transfusionais para o período junino.
Atualmente o estoque do Hemonorte encontra-se  baixo para atender as demandas do período. A meta é aumentar as doações e atingir um estoque de 800 a 1.000 bolsas/dia. Todos os anos, neste período, as necessidades transfusionais aumentam devido aos acidentes com fogos e várias situações de emergência, além dos pacientes hematológicos que fazem uso constante do sangue.
Para celebrar o Dia Mundial do Doador, que se comemora em 14 de junho, o Hemocentro preparou uma programação toda especial para parabenizar e agradecer aqueles que doam vida. O doador que comparecer ao Hemocentro será recebido com um lanche ao som do cantor Germano Luiz. 
Além dessas ações, o Hemonorte, durante o mês de junho está intensificando as campanhas externas com a Unidade Móvel de Coleta para manter o estoque equilibrado no período junino e férias de julho.
O Dia Mundial do Doador de Sangue foi criado em 2005 pela Organização Mundial de Saúde com o objetivo de conscientizar a população sobre a importância da doação voluntária de sangue e homenagear aqueles que são doam vida.

Requisitos básicos para doar:

1) Portar documento oficial de identidade com foto (identidade, carteira de trabalho certificado de reservista ou carteira do conselho profissional)

2) Estar bem de saúde

3) Ter entre 16 e 69 anos

4) Pesar no mínimo 50 Kg

5) Não estar em jejum. Apenas evitar alimentos gordurosos nas 3 horas que antecedem a doação

quarta-feira, 12 de junho de 2019

Prêmio da próxima Mega, no dia 15, chegará a R$ 115 milhões

O concurso 2159 da Mega Sena, sorteado nesta quarta-feira, dia 12, em São Paulo, não teve aposta acertando as seis dezenas.
170 apostas fizeram a quina e cada uma tem o prêmio de R$ 27.078,48.
A quadra foi feita em 9.781 apostas. O prêmio para cada uma é de R$ 687,27.
O próximo sorteio será no dia 15, prevendo-se um prêmio de 115 milhões de reais;
Confira as apostas da sorte no concurso de hoje:

  • 14
  • 26
  • 35
  • 38
  • 45
  • 53
Quina também acumula

O concurso 4999 da Quina, também sorteado nesta quarta-feira, dia 12, em São Paulo, não teve aposta acertando as cinco dezenas.
55 apostas fizeram a quadra e cada uma tem o prêmio de R$ 10.064,23.
O terno foi feito em 4.973 apostas. O prêmio para cada uma é de R$ 167,37.
O duque saiu para  141.698 apostas, dando R$ 3,23 para cada uma;
O próximo sorteio será nessa quinta-feira, dia 13, prevendo-se um prêmio de 6 milhões e 200 mil reais;
Confira as apostas da sorte no concurso de hoje:



  • 39
  • 46
  • 55
  • 66
  • 70


Fim do sigilo sobre empréstimos com dinheiro público agora só depende da Câmara

AGÊNCIA SENADO

O Plenário do Senado aprovou nesta quarta-feira (12) projeto de lei que remove o sigilo bancário das operações de empréstimo realizadas com recursos provenientes do orçamento público. Também não serão mais protegidas pelo sigilo, em caso de operações policiais, as contas bancárias que tenham sido usadas para a movimentação de dinheiro público. O PLS 26/2014, do senador Alvaro Dias (Podemos-PR), segue agora para a Câmara dos Deputados.
A proposição modifica a lei do sigilo bancário (Lei Complementar 105, de 2001). Na sua versão original, ela se referia apenas a empréstimos de bancos públicos para outros países ou que contassem com garantia, direta ou indireta, de nações estrangeiras. Uma emenda do ex-senador Flexa Ribeiro (PA) na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE), estendeu a medida para quaisquer operações feitas por bancos públicos que usarem, total ou parcialmente, recursos provenientes do Orçamento público.
Por fim, uma emenda apresentada no Plenário pelo líder do governo, senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), determinou que bancos privados também sejam alcançados pela retirada do sigilo quando efetuarem operações de empréstimo com dinheiro público. Bezerra também incluiu no texto, o fim do sigilo para as contas que movimentarem dinheiro público.
Além disso, o projeto determina que os instrumentos contratuais e eventuais aditivos das referidas operações sejam divulgados em página específica da instituição na internet. Originalmente, previa-se também a divulgação em jornal impresso de grande circulação, mas essa regra foi removida.
A relatoria final do projeto coube ao senador Styvenson Valentim (Podemos-RN).

CUBA: 800 MILHÕES DE DÓLARES
Ao apresentar o projeto, Alvaro Dias criticou investimentos feitos com o auxílio de dinheiro brasileiro em outros países, ciando como exemplo o empréstimo de US$ 800 milhões concedido a Cuba para a construção de um porto na cidade de Mariel. Em Plenário, ele disse que essas operações foram procedimentos “inusitados”, que surpreenderam pela falta de transparência.
Alvaro disse que os empréstimos foram financiados com a emissão de títulos de dívida a juros altos, e também com a retirada de recursos de fundos públicos. Segundo ele, o país perderá mais de R$ 342 bilhões até 2060 para arcar com os atos.
— Colocamos a mão no bolso dos trabalhadores brasileiro. Transferimos recursos do FAT e do FGTS ao BNDES para empréstimos favorecidos aos chamados “campeões nacionais”, e a nações que não pagam — afirmou.
O autor do PLS destacou, ainda, que o seu projeto não pretende violar o direito constitucional à privacidade, pois incide apenas sobre transações financeiras que usam dinheiro público.

HUMBERTO COSTA
Por outro lado, o senador Humberto Costa (PT-PE) disse que o projeto é meritório, mas que ele nasce de “preconceito” e de “fake news” a respeito dos contratos firmados em outros países com dinheiro brasileiro. Segundo ele, os financiamentos já geraram retornos, na forma de empregos, aquisição de equipamentos e crescimento de empresas nacionais.
— Quando o Brasil financia trabalhos de empresas brasileiras, está beneficiando o país. Esses recursos serão repatriados — argumentou.
Humberto também destacou que, apesar da maio visibilidade dada a empréstimos em países como Cuba, Venezuela e Moçambique, o país que mais recebeu recursos brasileiros foram os Estados Unidos.

TRAMITAÇÃO
O projeto passou por três comissões, tendo sido modificado apenas na primeira, a CRE. As emendas do relator, Flexa Ribeiro, ampliaram o alcance do texto para estender a extinção de sigilo bancário a todas as operações de crédito de bancos públicos, custeadas com recursos públicos.
"[A] publicidade não deve se limitar aos empréstimos a países estrangeiros ou por eles garantidos [...] Devemos considerar que qualquer financiamento que tenha como fonte os recursos públicos, assim definidos como os recursos provenientes de aportes diretos ou indiretos do Tesouro do ente público controlador, deve ser tornado transparente", argumentou o senador na ocasião.
Depois da CRE, as comissões de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) e de Assuntos Econômicos (CAE) ratificaram as mudanças.
Quando o projeto chegou ao Plenário, o senador Fernando Bezerra Coelho propôs incluir os bancos privados na nova norma, quando eles se valessem de verbas públicas para efetuar empréstimos. Bezerra observou que a diferenciação seria inconstitucional, ao prejudicar a isonomia entre empresas públicas e privadas do mesmo ramo. Além disso, segundo ele, incluir os bancos privados permitiria ao projeto alcançar "por completo" o seu objetivo de conferir mais transparência ao uso do dinheiro público.
A emenda de Bezerra também dispõe que o princípio do sigilo bancário não poderá ser usado para proteger de investigações policiais, contas que tenham sido usadas para a movimentação de recursos de origem pública. Para o senador, essa determinação dará mais "segurança jurídica" às instituições para que forneçam documentos pertinentes a autoridades.
Álvaro Dias recebe apoio de colegas e aprova o projeto no Senado
(Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado)

Taxista pode comprar carro elétrico sem IPI e sem IOF

AGENCIA SENADO

Reunidos em sessão conjunta do Congresso Nacional nesta terça-feira (11), senadores e deputados federais derrubaram parte de um dos últimos vetos do então presidente Michel Temer (Veto 40/2018). Agora, os trechos vão integrar o corpo da Lei 13.755, de 2018. Foram 387 deputados e 58 senadores favoráveis à derrubada do veto. Taxistas e pessoas com deficiência poderão ter isenção de IPI e IOF na compra de veículos elétricos ou híbridos.

O Veto 40/2018 cancelou 13 dispositivos do Projeto de Lei de Conversão (PLV) 27/2018, criado após os parlamentares alterarem o texto da Medida Provisória (MP) 843/2018, que criou o novo programa de incentivos fiscais para montadoras de veículos automotores no país, o Rota 2030.

A matéria foi transformada na Lei 13.755, de 2018, e Michel Temer justificou os vetos por inconstitucionalidade e contrariedade ao interesse público. Dos trechos vetados, nove foram mantidos e dois derrubados pelos parlamentares na sessão do Congresso da semana passada.

Com a derrubada, a Lei 8.383, de 1991, passará a prever a isenção de IOF em financiamentos para compra de veículos híbridos, elétricos ou com potência bruta de até 127 HP por parte taxistas, cooperativas de táxi e pessoas com deficiência. Também será alterada a Lei 8.989, de 1995, que passará a prever a isenção de IPI para compra de automóveis híbridos, elétricos ou de até 2 mil cilindradas por taxistas, cooperativas e pessoas com deficiência.
Vetos ainda eram do tempo do ex-presidente Temer. Foram
derrubados em plenário dia 11/06.2019
FOTO: Waldemir Barrwto/AGÊNCIA SENADO


Ministro diz que obra de transposição está 97% pronta

AGÊNCIA SENADO

As obras do eixo norte da transposição do rio São Francisco estão 97% concluídas, e as águas deverão chegar ao reservatório de Jati, no Ceará, no segundo semestre de 2019. Já o eixo leste, que atenderá à região de Campina Grande, na Paraíba, e municípios do agreste pernambucano, está 97,6% concluído, e também deve ser totalmente finalizado em breve.

O estágio atual das obras do Projeto de Integração do Rio São Francisco (Pisf) com as Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional foi apresentado pelo ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, em audiência pública da Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo (CDR) nesta quarta-feira (12).

O Pisf é uma obra estruturante com potencial para solucionar a escassez de água nos estados de Ceará, Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte, por meio da transferência hídrica do rio São Francisco, cuja oferta de água é mais estável, para as bacias receptoras. Com custo total orçado em cerca de R$ 20 bilhões, a estimativa do governo é de que a obra beneficie mais de 12 milhões de pessoas.

Gustavo Canuto informou que o ramal do Agreste pernambucano, iniciado em março de 2018, está com apenas 22% de obra realizada. O ministro explicou que o governo tem dificuldades em prever os prazos, porque se trata de “uma engenharia complexa que depende de cronogramas das empresas licitadas”. Ele garantiu, no entanto, que a execução está em “ritmo acelerado”, salientando o benefício para 68 municípios do Sertão e do Agreste de Pernambuco, porque a obra complementa o eixo leste do Pisf.

Canuto comemorou a aprovação, pelo Congresso, do PLN 4/2019, que autoriza o Executivo a realizar operação de crédito no valor total de R$ 248,9 bilhões, dos quais cerca de R$ 500 milhões deverão ser destinados à suplementação orçamentária da transposição. O ministro considerou a necessidade de bom senso na execução do recurso, já que também precisa dar atenção a outros programas da pasta, mas disse estar ciente de que a “água é uma questão essencial”.

— É uma vitória de todos nós. Nossa preocupação principal era o crédito e, agora, ele está disponível – sublinhou.

REVITALIZAÇÃO
O autor do requerimento para a audiência pública, senador Otto Alencar (PSD-BA) alertou que a continuidade do suprimento de água só será real mediante a revitalização do rio São Francisco “para que ele volte a ser vivo”. A senadora Zenaide Maia (Pros-RN) ponderou que, com a transposição, a vazão do rio para o mar deve ser menor. Ao sublinhar que a presença de água atrai investimentos, ela atribuiu ao governo a responsabilidade de garantir a segurança hídrica da população.

O senador Jean Paul Prates (PT-RN) também ressaltou que a manutenção da disponibilidade da água é uma responsabilidade do governo federal. Para ele, o risco de restrição de oferta dos recursos hídricos é um impedimento para os projetos de irrigação e de desenvolvimento regional. “E isso deve ser observado”, analisou o parlamentar.

Já o senador Elmano Férrer (Pode-PI) disse que, apesar de a transposição do rio São Francisco não alcançar o Piauí, se preocupa com a operação e manutenção do fornecimento da água para os estados abrangidos pela obra. Ele considerou que a gestão do sistema é responsabilidade dos governos estaduais e chamou atenção para o fato de que muitas bacias hidrográficas já apresentam sinais de assoreamento.

— Eu nasci a 200 metros do rio Salgado, um canal natural. Sei da relevância dele e, por isso mesmo, chamo a atenção aqui para a importância das ações de revitalização pelo Poder Público.

PARTICIPAÇÃO
Uma das participantes do debate, a governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra, disse que a temática da transposição “toca forte no coração do nordestino”. Ela comentou que viu de perto as durezas e consequências da seca e, portanto, tinha o sonho da transposição como “quase impossível”.

Fátima cobrou a conclusão do eixo norte, destacou a responsabilidade do governo na finalização do empreendimento e classificou a transposição como “uma obra do século”.

— Só quem sabe o que é acordar na madrugada para encontrar uma água em condições de beber reconhece a importância dessa ação. Nossos reservatórios chegaram praticamente a zero e digo isso para ressaltar, mais uma vez, a importância, para nós, dessa transposição — acentuou.

A coordenadora do Comitê de Integração do Pisf, Flavia Gomes de Barros, apresentou ações da Agência Nacional de Águas (ANA) na regulação da transposição e disse ser a “defensora número um” do projeto. Ela explicou que o custo da energia elétrica (necessária para bombeamento da água) é um dos maiores entraves da obra atualmente, ressaltando que o órgão está trabalhando para diminuir essas tarifas.

O diretor-presidente da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), Marco Aurélio Ayres Diniz, destacou a importância da revitalização das bacias.

— Entre as atividades da empresa estão a recuperação de áreas degradadas, despoluição do rio e proteção nascentes. Até o momento já são 1.500 nascentes protegidas e 40 mil bacias de captação de água da chuva implantadas — explicou.

E-CIDADANIA
Cidadãos de vários estados participaram da audiência pública, por meio do canal interativo e-Cidadania. Do Rio de Janeiro, Sonia Beatriz Silva manifestou preocupação com projetos destinados à fauna e flora, com vistas à preservação de espécies em extinção no nordeste.

Gabriel Luidy Moreira, do Rio Grande do Norte, defendeu a inclusão da disciplina de educação ambiental desde o ensino básico, para que as pessoas “aprendam desde cedo”. Fernando Lins de Lima, de Pernambuco, e Ayran Gabriel Duque Souza Lima, da Bahia, também alertaram para a necessidade de revitalização das bacias dos rios envolvidos na transposição. Já Juliete Santos, do Ceará, questionou o atraso na entrega das obras.

Internautas de estados que não receberão as águas também comentaram o assunto, observando relevância na transposição. Francisco Italo Hipolito de Sousa, do Piauí, ponderou que o projeto dará qualidade de vida para a população beneficiada, “além de desenvolvimento econômico e social”. De São Paulo, Edson Luiz da Silva escreveu que o projeto é “muito esperado, considerando-se sua importância”.
FOTO: Geraldo Magela/Agência Senado

Governo consegue aprovar crédito da regra de ouro por 450x0

Texto: Welton Máximo
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom 
Agência Brasil

A autorização para que o governo consiga um crédito suplementar de R$ 248,9 bilhões retira incertezas que pairavam sobre a economia brasileira. A afirmação é do secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, que comemorou a aprovação do crédito suplementar pelo plenário do Congresso Nacional por 450 votos a 0.
“A aprovação do PLN 4 [projeto de lei que trata da regra de ouro] retira uma incerteza que estava pairando no quadro atual e permite que caminhemos para medidas que tragam segurança ao país. Com a autorização do Congresso, temos permissão para seguir com a execução orçamentária sem nenhuma quebra operacional”, destacou Rodrigues, em nota oficial.
O secretário lembrou que a não aprovação do crédito suplementar paralisaria cinco programas do governo federal a partir do segundo semestre: o pagamento dos benefícios da Previdência Social, o pagamento de benefícios assistenciais como a renda mensal vitalícia e o Benefício de Prestação Continuada (BPC), o Bolsa Família, a reconstrução de municípios afetados por desastres naturais e os subsídios agrícolas para o Plano Safra, a agricultura familiar, a formação de estoques e o fomento às exportações.
Instituída pelo Artigo 167 da Constituição de 1988, a regra de ouro determina que o governo não pode endividar-se para financiar gastos correntes (como a manutenção da máquina pública), apenas para despesas de capital (como investimento e amortização da dívida pública) ou para refinanciar a dívida pública. Nos últimos anos, os sucessivos déficits fiscais têm posto em risco o cumprimento da norma, o que tem levado o Tesouro a buscar fontes de recursos para ter dinheiro em caixa e reduzir a necessidade de emissão de títulos públicos.
Apesar da busca de mecanismos alternativos para reverter a queda da receita, como a devolução de títulos públicos por parte do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o Orçamento deste ano apontou insuficiência de R$ 248,9 bilhões para cumprir a regra de ouro. Nesse caso, o governo teria de conseguir uma autorização do Congresso Nacional para emitir títulos da dívida pública para financiar os gastos correntes dos cinco programas citados pelo secretário especial de Fazenda.
Por causa do lucro recorde do Banco Central no primeiro semestre do ano passado, a insuficiência de recursos projetada para este ano caiu para R$ 146,7 bilhões. Depois de negociações com o Congresso, o governo conseguiu aprovar o crédito suplementar com o valor original, sob a condição de reverter parte de cortes orçamentários decretados recentemente e derrubar quatro vetos presidenciais.
Na nota oficial, Waldery Rodrigues lembrou que, desde 2014, o Governo Central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) registra déficit primário, o que levou o Executivo a recorrer ao Congresso para pedir a aprovação de crédito suplementar. “Em 2019 teremos o sexto ano consecutivo de déficit primário. A não aprovação do crédito poderia nos levar ao descumprimento da regra de ouro. Portanto, a aprovação é importantíssima e imprescindível para o nosso equilíbrio fiscal”, concluiu o secretário.



OPINIÃO do BLOG:

Em meio a toda turbulência política, o consenso obtido para aprovação dessa matéria dá, no mínimo, uma primeira indicação de que a articulação política do governo no Congresso não está tão perdida como alguns chegam a propalar.
O próximo desafio, será o relatório da Reforma da Previdência. É esperar pra 

Kajuru: Acusações contra Gilmar Mendes são piores e não levaram a CPI nenhuma

Em postagem no twitter o senador Kajuru externou sua posição contrária à convocação de uma CPI contra o ministro da Justiça, Sérgio Moro.
Referindo-se à acusação feita ao atual ministro da Justiça de haver trocado mensagens sobre procedimentos com o procurador Deltan Dellaganol, coordenador das acusações na operação Lava Jato, Kajuru afirma que pesam contra o Ministro do STF, Gilmar Mendes, acusações muito mais graves.
E destacou no tocante às denúncias contra Gilmar:
- Nunca mereceram nem CPI e muito menos impeachment.
A postagem do senador goiano foi toda em caixa alta e a transcrevo na íntegra:
- EU NÃO CONCORDO COM CPI CONTRA MORO, SOBRE ESSAS MENSAGENS. ACEITO CONVOCAÇÃO E ESCLARECIMENTOS. OS ÁUDIOS DO GILMAR MENDES INFINITAMENTE MAIS GRAVES, NUNCA MERECERAM NEM CPI E MUITO MENOS IMPEACHMENT!!!
Para acessar a postagem entre na página do senador Kajuru no twitter no endereço: https://twitter.com/SenadorKajuru/status/1138538870633447424



terça-feira, 11 de junho de 2019

Tailândia sofre goleada de 13x0 estreando na Copa de Futebol feminino

AGÊNCIA BRASIL

Na último jogo da primeira rodada da Copa do Mundo de 
Futebol Feminino, a seleção americana mostrou a que veio logo de cara goleou as tailandesas por 13 a 0.

Veja como foi a rodada:

Holanda x Nova Zelândia 
Gol no último minuto dá vitória à Holanda.
O estádio Oceáne, em Le Havre, estava lotado de torcedores holandeses, que coloriram as arquibancadas com um laranja vibrante.
A Holanda era favorita no confronto contra uma Nova Zelândia que, até hoje, ainda busca sua primeira vitória em mundiais femininos. A tática neozelandesa para brecar o ímpeto adversário era congestionar o meio-campo, com cinco atletas, deixando a atacante Gregorius isolada mais à frente para tentar um contra-ataque.
Aos 10 minutos, a meia Chance acertou o travessão da goleira Van Veenendaal, numa ótima oportunidade da Nova Zelândia.
O esquema defensivo das jogadoras da Oceania funcionou durante os primeiros 45 minutos. A Holanda produziu pouco e o resultado natural foi o empate em 0 a 0. Isso porque a zagueira holandesa Bloodworth, no último instante, desperdiçou um gol feito. Sem goleira, dentro da pequena área, chutou para fora uma chance incrível.
No 2º tempo, quem começou melhor foi a Nova Zelândia, que com a atacante Gregorius chutou de voleio e a goleira Van Veenendaal se esticou toda, no cantinho, para evitar o gol.
Aos 14 minutos, Miedema conseguiu avançar e frente a frente com o gol, chutou desequilibrada. A bola passou rente a trave e a Holanda perdeu mais uma oportunidade de ouro para abrir o placar.
Aos 46 minutos, enfim, a Holanda conseguiu o gol da vitória. Num cruzamento para a área, Beerensteyn ajeitou de cabeça para a reserva Roord, também de cabeça, colocar nas redes da goleira Nayler. Foi no sufoco! Foi um castigo para a Nova Zelândia!
Na próxima rodada do Grupo E, no sábado, a Holanda enfrenta o Camarões, enquanto a Nova Zelândia tenta se recuperar diante do Canadá. 

Ficha técnica:
Terça-feira, 11 de junho de 2019
HOLANDA 1 x 0 NOVA ZELÂNDIA
Competição: Mundial Feminino (1ª fase – Grupo E)
Local: Le Havre, França
Juíza: Édina Alves Batista (Brasil)
Público: 10.654
Holanda: Van Veenendaal, Van Lunteren, Van Der Gragt, Bloodworth e Van Es (Van Dongen); Groenen (Roord), Van De Donk e Spitse; Van De Sanden (Beerensteyn), Miedema e Martens. T: Sarina Wiegman.
Nova Zelândia: Nayler, Bott, Stott, Erceg e Riley; Hassett (Longo), Bowen, Percival, White (Wilkinson) e Chance; Gregorius (Satchell). T: Tom Sermanni.
Gol: No 2º tempo: Roord (46). 

Suécia 2x0 Chile
Jogo ficou paralisado por 43 minutos por causa da chuva de granizo em Rennes.
Um duelo desleal. De um lado, a Suécia – vice-campeã olímpica em 2016, no Rio de Janeiro. De outro, o Chile – estreando em mundiais femininos. Era essa a atmosfera da partida realizada em Rennes, pelo Grupo F.
A pressão inicial da Suécia foi incrível. A meta da goleira Endler sofria perigo a cada bola alçada na área. Aliás, a diferença de altura das jogadoras suecas para as chilenas parecia ser a grande arma das europeias.
Logo aos 2 minutos, a Suécia lança para a área. Na ânsia de salvar a meta, a zagueira Toro chuta para trás. A bola passa rente à trave. Quase um gol contra!
Aos 25 minutos, Sembrant cabeceia, Fischer desvia e a goleira Endler faz um milagre para evitar o primeiro gol sueco. Uma defesaça!
O 1º tempo terminou com o placar em 0 a 0, uma grande injustiça pelo poder de ataque das suecas. Mas uma grande recompensa para as boas defesas que a goleira Endler fez durante os 45 minutos iniciais.
Para o 2º tempo, insatisfeito com a atuação das atacantes, o técnico Gerhardsson trocou duas jogadores de frente, para tentar furar a retranca das chilenas.
No entanto, não teve tempo de as novas jogadoras suecas aquecer. Uma chuva forte começou a cair em Rennes. Aos 27 minutos, a chuva virou granizo e o jogo foi paralisado pela árbitra mexicana, ainda com o placar em 0 a 0. Foram 43 minutos de paralisação.
A Suécia voltou ainda melhor depois do “intervalo” forçado. Até que aos 40 minutos, saiu o primeiro gol. Novamente, em uma bola alçada para a área. Desta vez, a zaga chilena falhou e permitiu a Asllani marcar com um chute forte: 1 a 0.
Com o Chile desorganizado após o gol, a reserva Janogy dominou na intermediária, driblou três adversárias e chutou para marcar 2 a 0, sacramentando a vitória, aos 49 minutos do 2º tempo.

Ficha técnica:
Terça-feira, 11 de junho de 2019
SUÉCIA 2 x 0 CHILE
Competição: Mundial Feminino (1ª fase – Grupo F)
Local: Rennes, França
Juíza: Lucila Venegas (México)
Público: 15.875
Suécia: Lindahl, Glas, Fischer, Sembrant e Eriksson; Rubensson (Janogy), Asllani e Seger; Jakobsson, Blackstenius (Hurtig) e Rolfö (Anvegard). T: Peter Gerhardsson.
Chile: Endler, Galaz, Guerrero, Saez e Toro; Araya, Aedo (Soto) e Lara; Zamora, Urrutía (López) e Balmaceda. T: José Letelier.
Gols: No 2º tempo: Asllani (40) e Janogy (49).

Estados Unidos 13x0 Tailândia
Ninguém tinha dúvidas de que seria uma goleada. E os EUA não desapontaram: 13 a 0!
Com lotação máxima no estádio de Reims, os Estados Unidos – tricampeão mundial feminino – estreou contra a frágil equipe tailandesa. A expectativa era de uma goleada histórica, até porque da única vez que os dois times se enfrentaram, as americanas ganharam por 9 a 0. Por que não superar esta marca?
Com 5 minutos, os Estados Unidos já tiveram um gol anulado. Numa bola alçada na área, Morgan completa para as redes, mas estava completamente impedida.
Mas aos 11 minutos não teve jeito. Em outro cruzamento para a área, Morgan acertou a cabeçada, com a goleira Charoenying – de apenas 1m65 – completamente batida: 1 a 0.
Aos 19, Morgan serviu Lavelle e, de fora da área, a meia chutou fraco, a bola quicou e enganou a goleira tailandesa: 2 a 0.
Aos 31, cobrança de falta ensaiada para as americanas, Heath cobra para a área e Horan enche o pé para marcar mais um: 3 a 0, fácil, fácil.
No 2º tempo, a Tailândia entregou os pontos de vez e as atuais campeãs mundiais brincaram de fazer gols.
Aos 4 minutos, Mewis mandou a bomba de longe, a bola desviou na zagueira Saenkhun e morreu no fundo das redes: 4 a 0.
Quatro minutos mais tarde, outro gol, após um toque de cabeça na grande área, Morgan aparece, de biquinho, para anotar o quinto dos Estados Unidos.
As tailandesas erravam tudo. Um minuto depois, saiu o sexto gol. Lavelle chutou, a zaga tentou cortar, mas a bola sobrou caprichosa para Mewis, sozinha, completar e sair para comemorar.
Não perca a conta! Aos 11 minutos, Lavalle completou cruzamento rasteiro na área e chegou ao sétimo gol. Incrível! Em apenas 7 minutos, os Estados Unidos marcaram quatro gols!
Aos 28 minutos, continuou o massacre. Morgan ajeitou dentro da área, olhou e chutou com categoria no canto. Gol de quem entende de bola: 8 a 0!
A humilhação não parava. Eram decorridos 33 minutos, quando a bola foi lançada na área para Rapinoe – a atacante americana de cabelos rosas. Ela chutou de primeira e venceu a goleira Charoenying pela nona vez.
Aos 35 minutos, saiu o décimo gol. Foi fácil demais, Rapinoe tocou para Morgan ajeitar e colocar no canto. A goleira nem pulou. O que as tailandesas poderiam fazer diante de um ataque arrasador?
Parecia um jogo de profissionais contra amadoras. Pugh entrou na área, driblou como quis a goleira e deu um toquinho para as redes: 11 a 0.
O 12º gol foi exuberante! Morgan tirou a zagueira da Tailândia com um leve toque e nem esperou a bola cair para chutar forte, mais uma vez a goleira nem saltou. Era o quinto gol da artilheira na partida.
Aos 46 minutos, quando todos já esperavam o fim do jogo, a veterana Lloyd, 36 anos, recebeu em profundidade e, de cara com a goleira, deu um leve toque para marcar 13 a 0, sacramentando a maior goleada da história dos mundiais femininos.
Logo em seguida, a árbitra argentina apitava o final, para alívio das tailandesas.  
A partida deveria ter servido para mostrar o poderio norte-americano neste Mundial feminino, porém, a fragilidade da Tailândia impede qualquer análise precipitada. O grande jogo deste Grupo F será mesmo o duelo entre Estados Unidos e Suécia, marcado apenas para a última rodada.
No próximo domingo, os Estados Unidos enfrentam o Chile, enquanto a Tailândia tentará se recuperar diante da Suécia.

Ficha técnica:
Terça-feira, 11 de junho de 2009
ESTADOS UNIDOS 13 x 0 TAILÂNDIA
Competição: Mundial Feminino (1ª fase – Grupo F)
Local: Reims, França
Juíza: Laura Fortunato (Argentina)
Estados Unidos: Naeher, O´Hara, Dahlkemper, Ertz (Pugh) e Dunn; Lavelle (Press), Mewis e Horan; Heath (Lloyd), Morgan e Rapinoe. T: Jill Ellis.
Tailândia: Charoenying, Phetwiset (Srimanee), Saenkhun, Chinwong e Srangthaisong; Ngoen, Boothduang (Khueanpet), Phancha, Intamee e Thongsombut (Dangda); Nild. T: Nuengrutai Srathongvian.
Gols: No 1º tempo: Morgan (11), Lavelle (19) e Horan (31). No 2º tempo: Mewis (4), Morgan (8), Mewis (9), Lavelle (11), Morgan (28), Rapinoe (33), Morgan (35), Pugh (39), Morgan (41) e Lloyd (46).
O Brasil estreou no domingo: 3x0 sobre a Jamaica.
Três gols de Cristinane (FOTO: ASESSORIA/CBF)