quarta-feira, 21 de novembro de 2018

Saúde desconfia de ataque cibernético ao portal do "Mais médicos"

O Ministério da Saúde informa que recebeu mais de 1 milhão de acessos simultâneos no momento da abertura do sistema para os médicos interessados na inscrição do Mais Médicos. O volume é característico de ataques cibernéticos. Para comparação, é mais que o dobro do número de médicos em atuação no país.

Para garantir a inscrição dos interessados, o Departamento de Informática do SUS (DATASUS/SE/MS) está isolando a aplicação dos ataques que se mantiveram ao longo da manhã, além de outras ações para estabilidade e performance do site.

Mesmo diante de momentos de  instabilidade, o sistema já contabilizou 3.336 inscrições nas primeiras três horas da abertura do sistema.

A expectativa é que o sistema se normalize. Os interessados devem manter a tentativa de acesso.

O Ministério da Saúde alerta que eventuais responsabilidades pela inserção de dados falsos no sistema poderão ser apurados na esfera penal.

Texto transcrito do portal do Ministério da Saúde.

Orquestra Sinfônica mostra em Natal o espetáculo que o Papa verá

Teatro Riachuelo receberá a avant première 
das obras que serão apresentadas 
ao Papa Francisco, no Vaticano, próximo dia 12 

Sérgio Vilar
Papo Cultura Assessoria de Imprensa 

A Sinfônica da UFRN é uma das orquestras mais ativas do Brasil, com integrantes premiados e requisitados para concertos internacionais. Após o status de primeira orquestra universitária do país a promover turnê na Europa, conseguiram o feito de se apresentar ao Papa Francisco no próximo dia 12 de dezembro, em plena Praça de São Pedro, a mais famosa de Roma e talvez do mundo.
E o público potiguar terá uma chance ímpar de conferir, nesta quinta (22), o mesmo concerto que será executado ao Santo Padre, com repertório apresentado não só pela Orquestra, mas também pelo Madrigal da UFRN. Será no Teatro Riachuelo, a partir das 20h. O ingresso pode ser adquirido na bilheteria do Teatro ou clicando AQUI. O valor é de R$ 40 ou R$ 20 (meia entrada e clientes Unimed).
Para falar mais a respeito do concerto no Teatro e do feito conseguido pela OSFUFRN em se apresentar ao Papa, o maestro e regente da Orquestra, André Muniz, concedeu entrevista.

Como a OSUFRN conseguiu esse feito de se apresentar para o Papa Francisco?
ANDRÉ MUNIZ - Quase por providência divina (risos). Padre José Mário estava no concerto que executamos a 'Grande Missa Nordestina' na Antiga Catedral, dia 7 de dezembro do ano passado. Ao final do concerto, ele disse emocionado: "Esta é uma obra que o Papa Francisco certamente se emocionaria ao escutar". E ainda complementou: "Já pensou um Papa argentino escutando uma missa em latim, mas com elementos rítmicos e melódicos do Nordeste Brasileiro em pleno dia da Padroeira das Américas?". Com a anuência de nossa Reitora ele fez um contato com o nosso arcebispo D. Jayme, que encaminhou um histórico do grupo como gravações da 'Missa'. Para a nossa alegria, no dia em que comemorávamos os 60 anos da UFRN chegou a confirmação do convite!

Como você classifica esse momento não só para a Orquestra, mas para a música de concerto do RN?
ANDRÉ - Nem sei se é somente da Orquestra, e da música de Concerto do RN... No repertório que lá executaremos temos um 'Magnificat Aleluia' de Villa-Lobos, a própria 'Grande Missa Nordestina', do compositor pernambucano Clovis Pereira, que já foi nosso professor aqui. Teremos a premiére de uma Obra de Danilo Guanais, o 'Regina Coeli'. Hoje muitos integrantes da orquestra são oriundos de diversos estados do Brasil. Enfim, eu creio que estamos levando e dando protagonismo à música feita e produzida no Brasil. O nosso diferencial é que produzimos em uma qualidade que sinceramente não deve a muitas orquestras profissionais. Tanto é que muitos dos nossos integrantes são regularmente convidados para atuar junto a outros grupos, mas aliamos a isso o lado pedagógico, de formação, tanto interna quanto externa. Dá orgulho ver que somos o único grupo do estado fazendo concertos didáticos de forma permanente, da orgulho ver o Madrigal, que conosco também estará em Roma, invadindo, entre aspas, muitas escolas, levando arte, música e educação aos quatro cantos da cidade, dando apoio aos educadores que atuam na ponta do processo.

O repertório para o concerto foi pensado de que forma e sob quais critérios?
ANDRÉ - Queremos congraçar a melhor produção da música brasileira e italiana. Para isso escolhemos obras ilustrativas para os dois lados, até porque faremos um concerto na cidade de Frosinone, onde temos uma parceria via o programa Erasmus (de intercâmbio), com o conservatório de lá. Escolhemos a protofonis do Guarany, a abertura da opera 'A Força do Destino' de Verdi e a colossal obra 'Os Pinos de Roma' de Ottorino Riespigui. Em seguida teremos as obras junto com o Madrigal. Para o Concerto não ficar tão longo terminamos por não colocar aqui o Concertino para Violino e Orquestra, do Guerra Peixe e que lá terá como solista o professor Rucker Bezerra.

A OSUFRN tem conseguido se manter ativa e com conquistas significativas ao longo de seus nove anos. Quais as próximas metas?
ANDRÉ - Consolidar ainda mais este espaço artístico-formativo envolvendo o maior número de pessoas nos projetos! Temos projeto de duas óperas, sendo uma delas uma interação com multimídia. Nosso trabalho atrai atenção de solistas como Alvaro Silviero, que já conformou que conosco estaria em 2019. Agora gostaríamos muito também de ter apoio de grupos e pessoas de fora da Universidade, estamos buscando parcerias, como a que conseguimos com o Hospital do Coração para esta viagem, de forma a dar maior sustentação e ampliação ao que já fazemos hoje. A Orquestra não é da UFRN, todos nós somos um pouco pai dela.

SERVIÇO

Concerto - Orquestra Sinfônica da UFRN rumo à Roma

Onde: Teatro Riachuelo (Shopping Midway Mall)

Quando: nesta quinta-feira (22)

Hora: 20h

Ingresso: R$ 40 (inteira) ou R$ 20 (meia entrada e clientes Unimed)

Macaíba homenageia colégio Alfredo Mesquita nos seus 40 anos

Professora Iolanda e o presidente da Câmara, Gerson de Lima
Ex-conselheiro Valério Mesquita (filho do patrono), professora
Carmem Lúcia Freire Pereira, diretora da 1ª Direc, e
Rômulo Estanrley, atual diretor do estabelecimento

Foi bastante prestigiada a sessão solene em comemoração aos 40 anos da Escola Estadual em Tempo Integral Alfredo Mesquita Filho, promovida pela Câmara Municipal, no final da tarde de terça-feira, dia 20 de novembro de 2018. Iniciou às 17h e terminou as 19h. 

Rômulo e o vereador Netinho
Proposta pelo vereador José França Soares Neto (Netinho França), a solenidade reuniu várias gerações de ex-diretores, ex-professores e ex-funcionários, além de populares. As homenagens se concentraram nos primeiros servidores da unidade de ensino, referentes aos anos de 1978-1982, agraciando mais de sessenta pessoas.
O ex-conselheiro do TCE, Valério Mesquita, marcou presença, juntamente com Carmen Lúcia Freire Pereira, diretora da 1ª Direc. Ele recebeu duas homenagens: o agraciamento pelos 40 anos da EETI Alfredo Mesquita Filho e a comenda da Ordem do Mérito Cultural Alberto Maranhão, indicada pelo vereador Igor Targino.
A vereadora Edma Dantas Maia também foi homenageada. Ela foi supervisora do Alfredo Mesquita, de 1989 a 1992; e também a primeira diretora da então 1ª Dired (hoje, Direc).
O diretor e ex-aluno da unidade escolar, Rômulo Estânrley, disse que era uma honra para ele estar dirigindo o Alfredo Mesquita no ano em que estava completando 40 anos de fundação. Falou da importância do Ensino Médio em Tempo Integral, especialmente o modelo da Escola da Escolha, supervisionado no Estado pelo ICE (Instituto de Corresponsabilidade na Educação), do Ceará. 
Vice-diretora Keila Tavares, Carmem, Rômulo e
coordenadora Liryan Pessoa
E conclamou para que os vereadores se somassem à atual gestão do Alfredo Mesquita no sentido de sensibilizar a governadora eleita Fátima Bezerra (PT) a não deixar que o modelo da Escola da Escolha seja descaracterizado, uma vez que o projeto de lei, que regulamenta a proposta, encontra-se tramitando na Assembleia Legislativa.
A vice-diretora Keila Azevedo Silva Tavares explanou sobre a vivência da equipe escolar no novo modelo da escola em tempo integral, o projeto de vida e os sonhos dos alunos da escola, fundamental nesta proposta. E confessou que acredita na escola pública, pois “Macaíba merece; o Brasil merece!”.
Já a professora Radma Almeida de Freitas Rodrigues (Física) relatou que o modelo da Escola da Escolha consegue, através do Projeto de Vida, aproximar o aluno da escola. Segundo ela, “alunos que eram desacreditados, hoje querem aprender”. E agradeceu a Carmen Pereira por estar fazendo parte da primeira equipe da escola em tempo integral de Macaíba.
Fotos: Equipe da EETI Alfredo Mesquita
Dona Ilza Dantas da Costa, 84 anos, recebeu a homenagem
do presidente da Câmara, Gerson de Lima

terça-feira, 20 de novembro de 2018

Fátima aplaude exposição de Wagner Araújo

A governadora eleita, Fátima Bezerra, e sua equipe de transição aplaudiram, ontem a noite, a exposição de quase 3 horas feita pelo secretário Wagner Araújo sobre o projeto "Governo Cidadão", financiado pelo Banco Mundial.
Trata- se da única alternativa de investimento que o Estado tem podido executar e Fátima conta com a promessa do Banco de que será prorrogado.
Um dos presentes me disse:
- Aparentemente, ficaram todos pasmos, pois não sabiam da grandiosidade do Projeto. Foram mais de 3h de apresentação e muitos aplausos no final.

Mais médicos abre inscrições em 64 municípios do RN e em mais 2.760

O programa Mais Médicos publica hoje o edital para inscrição de médicos em 2.824 municípios, sendo 64 deles no Rio Grande do Norte.
A prioridade é para candidatos brasileiros. Formados no exterior, precisam apresentar o "Revalida".
Os selecionados terão direito a uma bolsa líquida de 11 mil, 244 reais e 56 centavos, além de outras vantagens.
Entre outras condições, o edital exige dos candidatos:
2.2.3. Não ser participante de programa de residência médica;
2.2.4. Não estar prestando o Serviço Militar Obrigatório no período de vigência do Projeto;
2.2.5. Não possuir vínculo de serviço com carga horária incompatível com as exigências do Projeto; e
2.2.6. Estar em situação regular perante autoridade competente na esfera criminal no Brasil
O texto do edital e o listão de municípios estão publicados no Diário Oficial da União desta terça-feira, dia 20, e podem ser acessados CLICANDO AQUI.

segunda-feira, 19 de novembro de 2018

Extremoz diz que faz o que pode para evitar o pior na estrada de Pitangui

PREFEITURA DE EXTREMOZ – NOTA

Em virtude do problema do avanço das dunas móveis na RN 305, (Estrada de Pitangui), a Prefeitura Municipal de Extremoz esclarece que mesmo sendo uma Rodovia Estadual, de responsabilidade do DER, órgão do Governo do Estado, a gestão Municipal tem feito grande esforço para resolver esse antigo problema, colocando tratores, caminhões, fiscais, defesa civil, chegando inclusive a iniciar o trabalho de contenção da Dunas Móveis trabalhando de modo preventivo.

Em meses anteriores houve êxito na remoção, contudo com o aumento dos ventos e com a falta de apoio por parte do DER, que parou de enviar as suas máquinas, restando apenas as do Município, a situação vem se agravando. Mesmo assim, a prefeitura vem colocando todo seu maquinário para remoção das areias que invadem a estrada num esforço por entender que os maiores prejudicados são os moradores.

O problema exige esforço conjunto com órgão competente que é o DER que precisa com urgência tomar uma atitude mais eficaz e assumir a responsabilidade no processo. E umas das medidas é fazer a contenção de dunas e trabalhar prioritariamente nesse caso, o que não tem ocorrido, especialmente nos últimos dias por parte do DER que precisa agir com eficiência e agilidade.
Nota encaminhada pela Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Extremoz

Fátima batalha pela antecipação de 2 bi para atualizar salários logo em janeiro

A equipe da governadora eleita, Fátima Bezerra, vem mantendo sob sete chaves suas gestões objetivando obter, logo no primeiro mês de governo, um adiantamento dos royalties do petróleo no valor de R$ 2 bilhões de reais, para atualizar os salários.
Quem está cuidando disso, segundo me foi informado sob o compromisso de preservar a fonte, é o seu sucessor no Senado, o empresário Jean Paul Prates.
Adiantou que não é essa a primeira vez que Jean Paul trata desse assunto - antecipação de royalties - inclusive para prefeituras, aqui no Rio Grande do Norte. 
E com pleno sucesso.

Soldado no RN tá comprando a própria farda - diz Fátima Bezerra

Para dar uma ideia do quadro de desastre que vai encontrar na administração do RN, destaco essa afirmação da governadora eleita, Fátima Bezerra, que tirei da reportagem disponível no portal da Tribuna do Norte:
- Se chegou a uma situação do soldado tirar do pouco salário que tem para comprar o fardamento que o Estado não entregou.
CLIQUE AQUI para ler a reportagem completa.

Livro sobre Dom Costa será lançado hoje, dia 19

Nesta segunda-feira, 19, acontece o lançamento do livro “Dom Costa”, uma biografia do ex-bispo auxiliar da Arquidiocese de Natal, Dom Antônio Soares Costa. O lançamento vai acontecer na Catedral Metropolitana de Natal, no final da novena da festa de Nossa Senhora da Apresentação, às 19 horas. O livro foi organizado pelo Cônego José Mário de Medeiros e pelo professor Otto Santana. 
“Este livro não é apenas a biografia do nosso saudoso e inesquecível Dom Costa. É , também, o registro justo e merecido de nomes de leigos, religiosas e padres, que prepararam na nossa Igreja particular de Natal, o célebre Concílio Vaticano II”, escreveu o Cônego José Mário, na apresentação do livro.

Dom Antônio Soares Costa
            Natural de Nova Cruz (RN), nasceu em 18 de junho de 1930. Ingressou no Seminário de São Pedro, em Natal, em 1944. Foi ordenado padre, em 8 de dezembro de 1955. Em 2 de dezembro de 1971, o Papa Paulo VI o nomeou bispo auxiliar da Arquidiocese de Natal. A ordenação episcopal aconteceu em 6 de fevereiro de 1972. Escolheu como lema: “Não veio para ser servido, mas para servir”, uma citação do Evangelho de Mateus.
            Foi braço direito de Dom Nivaldo Monte, então arcebispo metropolitano de Natal. Dom Costa acionou uma vigorosa ação pastoral junto à juventude e movimentos populares. Levou à frente a árdua tarefa de construir a nova Catedral, inaugurada em 21 de novembro de 1988, lutando contra a falta de recursos para tão grande empreendimento.
            Em 27 de outubro de 1993, foi transferido para a Diocese de Caruaru (PE), onde tomou posse, como bispo, em 19 de dezembro do mesmo ano. Faleceu em 7 de junho de 2002, em Caruaru, e está sepultado na Catedral de Nossa Senhora das Dores.

SERVIÇO
Lançamento do livro “Dom Costa”
Data: 19 de novembro, às 19 horas
Local: Catedral Metropolitana de Natal
Texto e ilustração encaminhados pela Pascom-Natal.

domingo, 18 de novembro de 2018

Fátima Bezerra participa de evento da Tribuna do Norte nesta segunda, dia 19

A governadora eleita do RN, Fátima Bezerra, participará nesta segunda-feira, dia 19, no auditório da FIERN, da edição nº 36 do Seminário Mensal "Motores do Desenvolvimento do Rio Grande do Norte".
O evento, que tem a parceria da UFRN, FIERN, Fecomércio e outras instituições, constará de outros três depoimentos: do governador atual da PB, Ricardo Coutinho, do cientista político e jornalista William Waack e do presidente da Federação das ìndústrias, Amaro Sales.
Começa às 8 da manhã,

sábado, 17 de novembro de 2018

900 médicos fazem o "Revalida" neste final de semana

Mariana Tokarnia – 
Repórter da Agência Brasil  
Brasília

A segunda etapa do Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por Instituições de Educação Superior Estrangeira (Revalida) 2017 será feita neste fim de semana por mais de 900 médicos. A prova será aplicada hoje (17) e amanhã (18) em Brasília, Curitiba, São Luís, Manaus e Belo Horizonte.

O Revalida reconhece os diplomas de médicos que se formaram no exterior e querem trabalhar no Brasil. O exame é feito tanto por estrangeiros formados em medicina fora do Brasil, quanto por brasileiros que se graduaram em outro país e querem exercer a profissão em sua terra natal.

A segunda etapa do Revalida é uma prova de habilidades clínicas na qual o participante percorre 10 estações para resolução de tarefas sobre investigação de história clínica, interpretação de exames complementares, formulação de hipóteses diagnósticas, demonstração de procedimentos médicos e aconselhamento a pacientes ou familiares.

São dois dias de prova e dois turnos de aplicação em cada um. As provas do primeiro turno começam às 13h e as do segundo turno, às 17h. Os portões são fechados meia hora antes.

Os horários estão detalhados no cartão de confirmação e no edital do Revalida – segunda etapa. É obrigatória a apresentação do original de um documento oficial de identificação com foto para a realização das provas.

MAIS MÉDICOS
A exigência do Revalida foi um dos pontos anunciados pelo presidente eleito Jair Bolsonaro como requisito para a participação de profissionais cubanos no programa Mais Médicos.

Alegando que o governo eleito questiona a preparação dos médicos cubanos ao exigir que eles se submetam à revalidação do título para serem contratados, o governo de Cuba decidiu deixar o programa.

Criado em 2013, no governo Dilma Rousseff, o programa tem o objetivo de levar médicos a regiões distantes e às periferias do país.

A vinda dos médicos cubanos foi acertada por meio de convênio firmado entre os governos do Brasil e de Cuba, por meio da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), que dispensava a validação do diploma dos profissionais. Na ocasião, o acordo foi questionado por entidades médicas brasileiras.

RN não aplica em saúde nem o mínimo que a Constituição determina

O governo do Rio Grande do Norte não está aplicando em saúde pública nem o mínimo constitucional - que é 12% daquilo que arrecada em impostos.
Isso é o que revela reportagem de Luiz Gomes Neto, na Tribuna do Norte deste sábado, com base em números do Ministério Público estadual atualizados no último dia 12.
Segundo acrescenta, pela Constituição, o governo deveria aplicar em saúde pública, agora em 2018, no mínimo, 1,02 bilhão de reais. Contudo, só aplicou R$ 562,6 milhões. Está devendo, portanto, 459 milhões reais.
CLIQUE AQUI para ler a reportagem completa.

sexta-feira, 16 de novembro de 2018

Mãe conta em livro experiências e avanços do filho autista


A escritora Aneida Fulsang lança na próxima quinta-feira (22), em Natal, o livro Autismo – Aprendendo a Aprender com Ejner. O lançamento, inédito na capital potiguar, será no Praia Shopping, a partir das 19h e abre uma sequência que ocorre em mais quatro cidades do País para apresentar a obra, que relata as experiências e conquistas do seu filho de 12 anos, autista com severidade nível 3 não verbal, a partir das descobertas de uma mãe atenta e criteriosa.

O livro "Austismo: Aprendendo a Aprender com Ejner" é uma viagem para quem excursiona pela realidade do espectro autista - seja por uma relação familiar ou profissional – através de experiências cheias de amor e competência teórica. É o primeiro de uma série livros que discute o autismo e os métodos de tratamento para ajudar famílias, profissionais e a sociedade em geral a entender o transtorno e a melhorar a qualidade de vida de seu portador, trazendo à tona, algumas desordens sensoriais típicas do autista e os meios de diminuí-las.

A publicação foi ilustrada pelo design gráfico potiguar Lyo Lima que registra situações cotidianas, com destaque para os problemas sensoriais enfrentados com frequência. E como seus familiares atuam no sentido de minimizar a sobrecarga de estímulos, tornando a experiência mais inclusiva.

“O conteúdo, colocado de forma clara, prazerosa e didática, contém informações muito úteis sobre as alterações sensoriais presentes na maioria das pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA). As ilustrações são belíssimas. A leitura dará um conhecimento que ajudará na compreensão de muitos comportamentos aparentemente espontâneos que observamos nestas pessoas. Estou aguardando o segundo volume", disse o doutor José Salomão Schwartzman, referência no Brasil na área da neurologia da infância e adolescência.

Antes do lançamento do livro, Aneida Fulsang participa de três palestras em Natal sobre o tema “Percepção Setorial”. Duas na terça-feira (20), a primeira às 9h no auditório do Hemonorte para os pais e terapeutas do Centro de Reabilitação Infantil; e a segunda, às 19h30, no auditório do Sebrae para o publico em geral. Já no dia 22, à tarde, ela conversa com os profissionais e integrantes da Associação dos Pais e Amigos dos Autistas do Rio Grande do Norte, às 14h30, na sede da instituição em Cidade Satélite.

Além da capital potiguar, a escritora e palestrante lança o livro e realiza conferência em Maceió, no dia 26 de novembro, em Brasília, aonde irá duas vezes, nos dias 29 de novembro e 05 de dezembro, além da cidade Joinville, em Santa Catarina, em primeiro de dezembro, encerrando o ciclo em São Paulo no dia 8 de dezembro.

“Há dois anos, visitando minha família no Brasil, conheci algumas mães de crianças especiais que buscavam compreender o comportamento do meu filho Ejner, ao mesmo tempo em que demonstravam ter sede de entender seus filhos e ajudá-los a se desenvolver dentro de suas limitações. Neste livro compartilho o dia a dia do meu garoto, suas dificuldades e avanços, como sente, reage e vê o mundo. Ele tem me ensinado as mais variadas formas de amor, muito além das palavras”. 

Sobre a autora 

Aneida Fulsang nasceu em Patos, na Paraíba, e mora há mais de 15 anos nos Estados Unidos, onde é casada com Eric. É mãe de Eric Jr, Ejner e Ejvin. Profissional do Comércio Exterior atuava como fashion designer até o diagnóstico de autismo severo de Ejner, que a levou a pesquisar e fazer análise do comportamento, o que lhe confere o status de escritora e autora dessa obra.

Como uma boa nordestina, não esmoreceu ante as adversidades e, dentre tantos desafios que lhes foram impostos, criou o programa individual do filho, intitulado ejer4autism e a página do Facebook "Autismo: aprendendo a aprender com Ejner". 

Autismo

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é uma patologia que vem despertando a curiosidade de muitos estudiosos da área de desenvolvimento e aprendizagem. Atingindo 1% da população mundial, esta condição trata-se de uma disfunção sensorial que afeta a forma como o sujeito percebe o mundo e seus estímulos, comprometendo a interação social, a comunicação e, por conseguinte, todas as interrelações que são impostas a qualquer ser humano em suas mais diversas nuances.

Apesar de afetar a condição neurológica de seu portador, este transtorno ainda tem causas e diagnóstico bem obscuros, constituindo-se em uma sentença bastante cruel para aqueles que precisam se deparar com esta realidade. Felizmente, há aqueles que, diante de ações bem sucedidas se importam em compartilhar e assim abreviar este percurso cheio de dúvidas e sofrimentos.

Vídeo que explica tema das palestras de Aneida Fulsang: Percepção Sensorial - http://bit.ly/2PXGDtr

Ejner. Texto e ilustrações encaminhados por Leane Fonseca


quinta-feira, 15 de novembro de 2018

Fátima já diz que salário em dia não voltará de imediato

Salário em dia não voltará de imediato - adverte a governadora eleita, Fátima Bezerra, numa entrevista que está publicada na edição desta quinta-feira da Tribuna do Norte.
A pergunta sobre o assunto foi colocada nos seguintes termos pelo repórter Ricardo Araújo:
- O Rio Grande do Norte encerrará o ano de 2018 sem a garantia do cumprimento das folhas salariais de novembro, dezembro e do décimo terceiro. Como a senhora pretende reverter esse quadro e efetivar o pagamento dos salários em dia?
Fátima respondeu:
- Como tenho dito, do ponto de vista financeiro, será colocar em dia os salários dos servidores. Não temos a ilusão de que isso será feito imediatamente e temos deixado isso muito claro para toda sociedade.
A governadora eleita evitou fixar um prazo para alcançar esse seu principal objetivo. 
Para isso, adiantou: "As despesas de 2018 precisam ser inferiores às receitas do próximo ano, só assim vamos equilibrar as contas do Estado".
CLIQUE AQUI para acessar o texto integral da entrevista no portal da Tribuna.

Artigo de Paulo Afonso Linhares

O INVERSO DO AVESSO

Paulo Afonso Linhares 

No  momento em que a ferida é feita dói pouco ou quase nada; ruim mesmo é quando ela ‘esfria’ e aí nasce a constatação da profundidade e extensão dos danos causados. É quando a ferida dói tudo aquilo que pode doer. 
Assim começa a parecer o ânimo de algumas pessoas - grandes dignatários do Poder Judiciário e eminentes lideranças do mundo da política - após o resultado das urnas de 28 de outubro de 2018. 
Claro, o denso populismo de extrema-direita arrebatou os corações de 57 milhões de brasileiros, enquanto todos os matizes de centro-esquerda à extrema-esquerda atingiu apenas 47 milhões, o que configurou uma acachapante derrota eleitoral.
Triste foi a impressão de que os dois lados da pugna sequer tinham noção do que estava em disputa e agiam como se tudo aquilo fosse como um reles jogo de futebol em que o “#Ele, não!” seria suplantado por um nada menos enigmático “#Ele, sim!”. E esses ‘discursos’ monossilábicos  findaram por prevalecer, a despeito do tanto que deveria ser debatido acerca dos grandes problemas nacionais para legitimar o veredito da Soberania Popular, na eleição presidencial de 2018.
O que prevaleceu, todavia, foram bordões despolitizados e fórmulas simplistas de apelos imediatistas de solução de pequenos problemas: o banimento de um “kit gay” que ninguém sabe o que é, contra o “botijão de gás de cozinha a 45 reais” a alentar muitos lares economicamente desfavorecidos. E as grandes questões nacionais que não apenas deveriam balizar o debate político, mas, serem o divisor de águas na formação da vontade do corpo eleitoral, foram olimpicamente esquecidas, ao menos no momento crucial das escolhas feitas na solidão das cabines indevassáveis. 
        Sem dúvida, tiveram grande peso mesmo os boatos e mentiras - denominados genericamente como “fake news”, para reforçar a tradição brasileira  do abuso de anglicismos - assacados através das redes sociais da Internet, sobretudo, porque o Tribunal Superior Eleitoral se mostrou incapaz de combatê-lo.
Findos os foguetórios e libações comemorativos da vitória eleitoral, emergem com força as indagações sobre tristes aspectos da realidade de um país seriamente enfermo em múltiplos aspectos. Como superar os enormes gargalos da economia de um país periférico? Como resolver o gravíssimo problema do déficit fiscal que perpassa todas as unidades federativas, da União, Estados e Municípios brasileiros? Como  há de ser solucionado o indigesto e inadiável problema da previdência social? O que há de ser feito para  reduzir  o crescente e angustiante índice de desemprego que atinge parcelas ponderáveis da população deste país continente? Enfim, em que bases será estruturada a retomada do desenvolvimento nacional?
Evidente que arroubos autoritários e planos simplórios estão distantes como soluções para esses magnos problemas. Claro, não se pode exigir do governo Jair Bolsonaro um arsenal de fórmulas prontas para solucioná-los com um estalar de dedos, todavia, é razoável que o presidente que assumirá em janeiro de 2019 tenha a exata dimensão do que representa o Brasil no mundo, sobretudo, de que podemos retroceder no plano externo, com o enfraquecimento das relações comerciais com importantes parceiros, em especial a participação no bloco dos Brics, a derrocada do Mercosul, ademais da presença do Brasil  em diversos organismos internacionais que foram mais obras da excelente diplomacia brasileira, do que  de governos e líderes políticos circunstanciais.
Dizer que vai retirar o Brasil da ONU ou que vai apoiar a transferência da embaixada brasileira de Tel-Aviv para Jerusalém, na contramão da quase unanimidade dos países do mundo,  não deixa de ser algo que beira à absoluta irresponsabilidade. Sobretudo, se se considerar a posição da diplomacia brasileira - que não é petista, tucana ou meramente direitista, mas, herdeira de belíssima tradição do Barão do Rio Branco - na sua trajetória de inserir o Brasil no concerto das nações civilizadas. Com efeito, a carreira de Estado cujo escopo é o de viabilizar a representação do Brasil através de unidades (embaixadas) mantidas na maioria das nações amigas, é uma das melhores do mundo, máxime pela formação de excelência que os jovens aspirantes a diplomata recebem no Instituto Rio Branco, noção que escapa do conhecimento da maioria de nossa população. Daí que Bolsonaro igualmente ignorar isso constitui mais um grande problema a ser equacionado pelo governo que começa em 01 d janeiro de 2019.
Certo é que o Brasil precisa de seus parceiros internacionais cujo volume de negócio tem relevância para a balança comercial, a exemplo da China, o maior de todos, ou mesmo os países árabes, que mantêm conosco um comércio que dá superávits anuais superiores a 7 bilhões de dólares, enquanto Israel proporciona apenas 1,5 bilhões de dólares. Óbvio que, seguindo as boas práticas da diplomacia brasileira, deve-se lutar para não perder nenhum deles, mas, no mínimo, que seja preservado quem melhor atende aos interesses do Brasil. Desdenhá-los pode ser um fatal erro, sobremodo, com a imposição de pesadas perdas para o agronegócio que sufragou o nome de Jair Bolsonaro. 
Aliás, vale lembrar que, nos Estados Unidos da América, as idiotices de Trump têm causado sérios estragos à política externa norte-americana com atitudes do tipo “cutucar o cão com vara curta”: rompeu o acordo nuclear com o Irã deixando em maus lençóis os parceiros ocidentais (França, Alemanha e Inglaterra) e abriu uma perigosa guerra comercial contra a China, com desdobramentos imprevisíveis, porém, um dano concreto já causou: o agronegócio norte-americano do chamado Corn Belt (em português, “Cinturão do Milho”), está a amargar pesadas perdas em razão das retaliações econômicas chinesas em resposta aos arroubos do Tangerine Man.
Com essa bobagem de mudança da embaixada brasileira em Israel para Jerusalém, o agronegócio que produz e exporta proteína animal para países muçulmanos - das regiões Sul-Sudeste e Centro-Oeste, que votou maciçamente em Bolsonaro - poderá perder um mercado excelente da carne helal (“helal”, em árabe, corresponde a “permitido, autorizado”, em português. Nos países não islâmicos, este termo é usado para se referir aos alimentos autorizados de acordo com a lei islâmica “Xariá”) e de outros bens e serviços que o Brasil exporta para o mundo árabe. O mesmo se diga relativamente aos exportadores de soja para o rico e superpopuloso mercado chinês: um alinhamento automático do Brasil à política de Trump contra a China, já insinuado por Bolsonaro em entrevistas, poderá deixar muitos dos entusiasmados eleitores deste sem compradores para a soja que produzem, está que é principal “commodity” da pauta de exportação do agronegócio brasileiro. 
Ao que parece, o Trump tupiniquim e sua equipe imaginam que podem governar um país continental como o Brasil com bordões idiotas e arroubos pueris. Isso funcionou bem na campanha eleitoral, até mesmo como manobra diversionista: ao invés de propostas concretas e viáveis para a gestão racional da máquina governamental, da economia, educação, saúde, segurança pública e relações exteriores, que não existiam, o candidato trouxe como agenda filigranas como flexibilização do porte de armas de fogo, o repúdio às políticas afirmativas de certas minorias (comunidade LGBT, movimentos negros, indígenas, a mentirosa idiotice do tal “kit gay” etc.), o rompimento político como países vizinhos  que têm governo repuxados como “de esquerda”, alem de um besteirol mais amplo e, como tal, desassociado de maior aprofundamento no campo das ideias. 
Salta aos olhos que Bolsonaro, deputado federal do baixo clero apesar dos sete mandato, não aprendeu a liturgia do importante múnus que desempenhará a partir de janeiro d 2019. Nem a maioria daqueles que compõem o “núcleo duro” de seu grupo. A cada instante vão aparecendo bocagens ditas pelo próprio presidente eleito ou de alguém do seu círculo íntimo: a ultima foi  a revelação de que o futuro superministro da Economia, o banqueiro e economista Paulo Guedes, também conhecido como “Posto Ipiranga”, numa tensa reunião técnica sobre questões orçamentárias perguntou o que diabos era aquela tal de “LOA”, nada mais que a Lei Orçamentária Anual. Mais um “fake new”? Coisa nenhuma! Segundo narra em artigo o professor de Economia da Unicamp, Pedro Paulo Zahluth Bastos, na Carta Capital, “um técnico do IPEA informava que o futuro ministro da Economia do governo Jair Bolsonaro, Paulo Guedes, tinha acabado de ter uma reunião com integrantes do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Os técnicos discutiam a LOA e foram interrompidos pelo futuro ministro: o que mesmo é a LOA? Sério? Não pode ser. Como é possível que um economista experiente prestes a assumir o Ministério da Economia não saiba que a LOA é a Lei Orçamentária Anual? Só pode ser brincadeira de petista infiltrado". Pode? Nos gabinetes de Brasília, começa a assustar mesmo é o grau de desconhecimento do futuro ministro da Economia do governo de Jair Bolsonaro, Paulo Gudes, sobre a administração pública. 
O exercício da presidência da República tem sua liturgia, que deve ser observada. E nesse chão os amadorismos são perigosos. Ora, na alta cúpula bolsonariana, perpassa uma ideia tosca de que, ganhando a eleição presidencial, não apenas o governo, mas, o Brasil mesmo passou a pertencer ao vitorioso e, nesse diapasão, os 47 milhões de eleitores que não votaram em Bolsonaro devem ser politicamente “tratorados”, para usar a imagem hedionda que cunhou Eduardo Bolsonaro, o primeiro filho e pretenso herdeiro do capitão-presidente, em mais um delírio de poder.
Estranho é que há um esforço para que prevaleça esse ralo e superficial da política que, todavia, atraiu ponderável parcela majoritária do eleitorado brasileiro, assustado que foi pelas grandes estruturas midiáticas de que deveria ser destruído esse “dragão da maldade” chamado apenas PT, sem deixar claro qual seria a alternativa de poder. Votou-se, assim, para “tirar o PT”, sem ao menos se dar conta de que isto ocorreu quando do impeachment fajuto contra Dilma Rousseff, tanto é verdade que entre a data da eleição de Bolsonaro até sua posse, que sofrerá da Síndrome do Pato Manco será Michel Temer.  A expressão "pato manco" (do inglês, “lame duck”),  na política norte-americana,  designa o político que continua no cargo, mas por algum motivo não pode disputar a reeleição e perde a expectativa de poder. 
Sem embargo, na tradição política brasileira, ao “pato manco” nem o indefectível cafezinho é servido, pois, ensina velho anexim de caçadores ingleses, que “nunca desperdice pólvora com pato morto” (“Never waste powder on a dead duck”). Ao pato manco Temer caberão apenas grasnidos de adulação ao futuro inquilino do Alvorada para, quem sabe, ser agraciado com o posto honorífico de embaixador nalgum país inexpressivo, ou livrar-se de uma ‘cana’ antes do carnaval de 2019.
Claro, os barões da mídia (Globo, Estadão, Veja, Folha, Band e SBT), em sua maioria, tinham como candidato o insosso Geraldo Alckmin que, como já era previsto, não decolou e obteve míseros 4,76% dos votos no primeiro turno da eleição presidencial. A maioria do eleitorado preferiu o cardápio simplista do populismo de extrema-direita. Coisas da democracia. Para os 47 milhões que votaram em Haddad uma pálida esperança: que Bolsonaro siga aquela malsã tradição da política brasileira de nada cumprir do que foi dito nos palanques das campanhas ou mal-ajambradas aparições nas redes sociais e entrevistas à imprensa, no ritmo do “esqueçam o que escrevi (ou disse). Algo como o inverso do avesso, que poderá ser menos ruim para o Brasil.

quarta-feira, 14 de novembro de 2018

Roberto Guedes terá programa diário na TV União

O jornalista Roberto Guedes anunciou que estará na TV União a partir do dia 18, segunda-feira, com um programa de entrevistas a ser apresentado de segunda a sexta-feira, às 13,30.
A TV União pode ser sintonizada na Cabo Telecom - Canais 26 e 800 (HD).
Sobre o programa, Roberto acrescenta:
- Eminentemente jornalístico, o programa tem como oferta principal a realização de entrevistas com pessoas que possam ajudar a formar opinião sobre tudo o que acontece aqui ou lá fora com repercussão em nosso Rio Grande do Norte.

terça-feira, 13 de novembro de 2018

Pai mata o filho pensando ser um assaltante

Alyson Aevedo, 39 anos,ex-prefeito de Baraúna, região do Curimataú da Paraíba, foi morto pelo próprio pai, Adilson Azevedo, que o confundiu com um assaltante.
Foi na noite de ontem, como registrou da Tribuna da Câmara dos Deputados, o deputado Veneziano Vital do Rego.
Reportagem sobre essa tragédia está no portal Jornal da Paraíba. Para acessá-la, CLIQUE AQUI.

domingo, 11 de novembro de 2018

Portões do ENEM abrem às 11 pelo horário de Natal

Por Mariana Tokarnia 
Repórter da Agência Brasil  
Brasília

Estudantes inscritos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) fazem hoje (11) a segunda etapa de provas em mais de 1,7 mil municípios. Serão aplicadas questões de ciências da natureza e matemática. Para resolvê-las, os candidatos terão cinco horas, 30 minutos a menos do que no domingo passado, dia da primeira fase.

Os estudantes devem estar atentos ao horário de verão. Os portões abrem às 12h e fecham às 13h, no horário de Brasília, que segue o horário de verão. Ou seja.pelo horário de Natal, os portões abrem às 11 horas e fecham às 12.

As provas começam a ser aplicadas às 12h30, pelo horário de Natal. A partir das 12h, os alunos devem estar em sala de aula e serão realizados procedimentos de segurança.

O participante não poderá deixar o local de prova antes das duas primeiras horas e só poderá levar o Caderno de Questões para casa caso deixe a sala 30 minutos antes do fim da prova.

Os candidatos deverão ter em mãos um documento válido, oficial e com foto; e guardar no envelope porta-objetos fornecido pelo aplicador o telefone celular e quaisquer outros equipamentos eletrônicos, que deverá ficar desligados. Os inscritos no exame devem levar também caneta de tubo transparente e tinta preta. Lápis, borracha, lapiseira e canetas sem transparência não podem ser usados no dia da prova.

O gabarito oficial do Enem 2018 será divulgado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) até 14 de novembro. Já o resultado deverá sair no dia 18 de janeiro de 2019.

Falta de energia
Segundo o Inep, os participantes dos locais de prova que ficaram sem energia elétrica no domingo passado não devem deixar de fazer o Enem hoje. Eles terão direito à reaplicação apenas das provas do primeiro dia, em dezembro.

Dois locais de prova foram afetados, um em Franca (SP), com 993 participantes; e o outro em Porto Nacional (TO), com 759. O Inep fez contato com essas pessoas pelo e-mail ou SMS cadastrados na Página do Participante, alertando sobre a necessidade de comparecerem.

Enem 2018
O Enem 2018 será aplicado em 1.725 municípios brasileiros, 70 deles de difícil acesso. Ao todo, 5.513.726 estudantes estão inscritos. No último domingo, 4,1 milhões de estudantes fizeram o exame, registrando-se o menor percentual de faltosos desde 2009: 24,9% do total de 5,5 milhões de inscritos. Foram aplicadas provas de linguagem, ciências humanas e redação.

A estrutura para aplicação do Enem envolve 10.718 locais de aplicação, 155.254 salas e mais de meio milhão de colaboradores. Foram impressos 11,5 milhões de provas de 12 cadernos de questões diferentes. Haverá ainda uma videoprova em Língua Brasileira de Sinais (Libras).

Ao todo, são quase 600 mil pessoas envolvidas na aplicação do exame.

A nota no Enem poderá ser usada para concorrer a vagas no ensino superior público pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu), a bolsas em instituições privadas, pelo Programa Universidade para Todos (ProUni) e para participar do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

sábado, 10 de novembro de 2018

TSE dá 5 dias para o TRE responder sobre registro de Kerinho


Fátima recebe do TCE diagnóstico da situação do RN

O presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE/RN), conselheiro Gilberto Jales, recebeu em audiência no final da tarde desta sexta-feira (09/11) a governadora eleita do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra, acompanhada de membros da equipe de transição do Governo. “A conversa com o TCE é necessária diante da situação que passa o nosso Estado. Trata-se de um órgão que pode nos ajudar muito, inclusive com sugestões, para que possamos corrigir possíveis falhas”, relatou a futura governadora.

Foi mais do que uma simples visita de cortesia. A governadora Fátima Bezerra apresentou membros da equipe de transição e falou das dificuldades que vão enfrentar, sobretudo com o nas questões fiscal e orçamentária.  Ela estava acompanhada dos técnicos Adriano Gadelha, André Castro, Carlos Eduardo, Roberto Sérgio Linhares, Arméli Brennand e o deputado estadual Fernando Mineiro.

Fátima explicou que a equipe de transição vem trabalhando em três frentes, divididas nos temas “Gestão Fiscal e Orçamento”, “Desenvolvimento Econômico” e “Serviços Públicos e Políticas Sociais”. Informou que foi iniciada a conversa com o atual governador, Robinson Faria, que se colocou a disposição para contribuir com o processo e que, paralelamente, a equipe estava iniciando diálogos com organizações como o TCE, por exemplo. De antemão, disse que tratará com prioridade questões relativas à segurança, saúde e educação, e que já vem ouvindo grupos de especialistas nestas áreas desde a campanha.

Acompanhado dos conselheiros Paulo Roberto Chaves Alves e Renato Costa Dias, da conselheira Adélia Sales, do procurador eleito para mais um mandato à frente do Ministério Público de Contas, Thiago Guterres, além de diretores e coordenadores do TCE, o presidente Gilberto Jales explicou que o Tribunal de Contas sempre procurou, em sua especificidade, colaborar com o desenvolvimento do Estado. “Nossos técnicos atuam na frieza dos números, de acordo com a Lei. O órgão parte de dados concretos, observando a legalidade e a legitimidade, divulgando todos os dados para a sociedade”, disse.

O presidente do TCE entregou à futura governadora uma série de relatórios de auditorias em áreas como segurança, saúde, educação e outros. “Tenho certeza que o Governo do Estado, em seu dinamismo, não teria condições de desenvolver estes estudos que muito podem contribuir, pois além de achados, apresentam sugestões de solução”, disse, lembrando que a equipe é enxuta, mas muito profissional, competente, com atuação reconhecida entre as cortes de contas de todo o País. “O tribunal atual com um olhar de fora”, destacou.

Jales citou vários exemplos de atuação do TCE nas contas públicas, resultando em prevenção de prejuízos para o Estado, tais como no caso do fundo previdenciário e no processo do estádio Arena das Dunas. Informou que a Corte de Contas conta com uma equipe especializada em auditoria de convênios internacionais e vem investindo em inteligência e tecnologia de informação, além da capacitação permanente dos servidores e jurisdicionados. “Contamos com o menor percentual de receita entre os tribunais de contas do país, mas nossa atuação é profissional. Somos respeitados pela qualidade dos dados que apresentamos a sociedade”, destacou.

No final da reunião, a governadora eleita pediu apoio do presidente do TCE no diálogo com os demais poderes acerca das discussões orçamentárias. Gilberto Jales se colocou à disposição e relatou as contribuições do TCE diante da crise econômica dos últimos anos. “Há quatro anos que o nosso orçamento está congelado. O Tribunal vem dando sua parcela de contribuição para o equilíbrio financeiro do Estado e está sempre aberto ao diálogo”.
Texto e foto encaminhados pela Assessoria de Imprensa do TCE.
Governadora eleita e equipe recepcionados no TCE